quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Ano Novo



Que o braseiro do Ano Novo aqueça as nossas almas, a nossa economia, a nossa política, a nossa... enfim, o que quisermos...

A todos um excelente 2009

Foto: José Carlos Ferreira

sábado, 27 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Saramago



O último livro do Saramago calhou-me no sapatinho. Tal como também me calhou a "Antologia do Humor Português", de Nuno Artur Silva e Inês Fonseca Santos. Leituras diferentes, mas que prometem... Àqueles que encarnaram de Menino Jesus ou de Pai Natal, o meu muito obrigado.

Foto: José Carlos Ferreira

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Bolinha de Natal



Pois é... Desejo a todos um Santo Natal! Que o Menino Jesus seja generoso em saúde. O resto vem por acréscimo.

Foto: José Carlos Ferreira

domingo, 21 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Peso da Régua


Nesta altura do ano sabe tão bem ter uma garrafinha destas paragens em cima da mesa... E se for para acompanhar umas rabanadas????

Foto: José Carlos Ferreira

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Vila do Conde



Foi com uma casca de noz como esta que começámos a globalização.

Foto: José Carlos Ferreira

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Terras de Bouro




Dizem alguns que é Geira. Dizem outros que é Jeira. Uns defendem que geira é o caminho para o trabalho. Outros defendem que Jeira é uma jornada de caminho. Em quem confiar?

Foto: José Carlos Ferreira

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Vilarinho da Furna



Vilarinho da Furna está hoje fria e só, ao contrário de outras Furnas que eu conheço. Com os antigos habitantes aprendi que é no singular que se deve dizer.


"Já nos roubaram a aldeia, não nos queiram agora roubar o nome!"

Foto: José Carlos Ferreira

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Gerês



Haverá coisa "mai linda" que a Mata de Albergaria? Admitem-se todas as respostas possíveis...

Foto: José Carlos Ferreira

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Braga



A visita lá a cima deveria ser obrigatória... até para quem tem vertigens

Foto: José Carlos Ferreira

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

“Cadê” o bengaleiro?

Tive a honra de ter sido convidado pela ACOFA para fazer parte do júri da 8.ª Grande Noite do Fado de Braga, que decorreu no Theatro Circo na noite do último sábado do mês de Novembro.
A noite estava fria e chuvosa, pelo que, quando fui para o certame protegi-me tanto para o frio como para a chuva. Por isso, vesti o meu sobretudo e muni-me de um modesto e simples guarda-chuva que, apesar de ser modesto, tem um significado especial porque foi-me oferecido.
Quando cheguei ao Theatro Circo, fui gentilmente recebido à porta pelo senhor que estava a conferir os bilhetes, e logo fui muito educadamente informado que não podia entrar dentro da sala de espectáculos com o meu modesto guarda-chuva.
Ora, muito bem, pensei eu. Tem toda a razão. Afinal, foram gastos rios de dinheiro na recuperação desta grande sala de espectáculos e é necessário implementar todas as medidas que impeçam uma degradação dos materiais, evitando-se os erros do passado.
Assim, perante a observação do senhor que estava a verificar os ingressos, e que era funcionário do Theatro Circo, porque o seu elegante traje era como o algodão, não engana, perguntei o que parece óbvio numa situação destas: - Onde está, então, o bengaleiro onde possa deixar o meu modesto guarda-chuva e, já agora, o meu sobretudo?
A resposta que recebi é que não foi tão óbvia quanto esperava. O senhor funcionário, apontando para um canto do hall de entrada, disse simplesmente: -Deixe ali. Eu olhei e verifiquei que todos estavam a deixar os seus guarda-chuvas num canto. Tudo ao monte. Ora, mesmo não sendo eu um bruxo adivinho, não me foi muito difícil deduzir que, se eu deixasse ali o meu modesto guarda-chuva, havia fortes probabilidades de nunca mais o ver. Insistindo na pergunta pelo bengaleiro, disseram-me que não havia e tinha que ali deixar o guarda-chuva sob pena de não entrar na sala de espectáculos. Acabei por resolver o problema de uma outra forma.
Mas, já quando a cortina do palco estava quase a levantar, fiquei a pensar… será que o dinheiro que pagámos pelo Theatro Circo não incluiu um bengaleiro? E, se ele existe, “cadê” ele?

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Gil Eannes



Vale a pena a viagem. Ninguém imagina o quão profundo se lá desce... O nevoeiro ajuda a esclarecer todos os mistérios...

Foto: José Carlos Ferreira

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Pisco-te o Olho - Estremoz



Dizem que depois da guerra no Iraque o mármore de Estremoz entrou em crise. É o nosso "petróleo"

Foto: José Carlos Ferreira

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Pisco-te o Olho - Infinito




Hoje sinto-me nas nuvens... Só cá volto segunda-feira.

Foto: José Carlos Ferreira

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Pisco-te o Olho - Évora



O Templo que, esclarecem os arqueólogos, não é de Diana.

«O inestimável valor patrimonial de Évora foi
reconhecido a 25 de Novembro de 1986, dia em que o Comité do
Património Cultural de Paris anunciou a decisão da Organização das
Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO)» da classificação do Centro Histórico de Évora como Património da Humanidade.

in Lusa.

Foto: José Carlos Ferreira

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Honrem-se os compromissos!

Olhando para a actualidade do país, é praticamente impossível não abordar o que está a acontecer no sector da Educação. Temos um Ministério a ser bombardeado por todos os lados e a tentar apagar fogos da forma mais rápida possível, trabalhando, inclusive, ao domingo. Depois temos professores que, garantem, não desarmam das suas reivindicações. E, por fim, temos os alunos que, embora tenham acalmado nas últimas horas, mostraram o quão bem educados estão. Não por culpa dos professores, mas sim daqueles que nos últimos anos conseguiram, superiormente e em nome das melhores teses sobre pedagogia sabe-se lá vindas de onde, retirar a autoridade que os docentes tinham.
Com toda a sinceridade, começo a ter uma certa compaixão pela ministra da Educação e não consigo esquecer o seu ar triste e preocupado na noite do passado 8 de Novembro, depois de ver perto de 120 mil professores na rua a protestar e a não perceber a razão de tal manifestação. A senhora ministra, como pessoa de bem que é, não entende porque é que os professores recuaram. Afinal, há um memorando assinado por uma plataforma que urge honrar. Se os sindicatos assinaram, é para cumprir. Isto de assinar um documento, apertar as mãos e depois dar uma punhalada pelas costas, é muito feio.
Repara-se que a senhora ministra tem toda a razão para estar triste com este comportamento. O Governo a que pertence nunca faria uma coisa destas. Prometer, para depois não cumprir. Temos fé nos 150 mil empregos que o Primeiro Ministro prometeu. Acreditamos piamente que as SCUTS não vão ter portagens. Ainda temos esperança no referendo ao Tratado de Lisboa. E, estamos convictos que vamos crescer em termos económicos três por cento.
Se o Governo honra os seus compromissos, por que não haverão os professores de honrar o papel assinado pelos sindicatos? Mas, acreditem que os maiores problemas ainda estão para vir. A ministra até pode ceder, mas será que os “mil e um” sindicatos da educação se irão entender quanto ao modelo de avaliação que querem?

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

sábado, 15 de novembro de 2008

Pisco-te o Olho - Ponte de Lima




Neste entardecer, os balões decidiram ganhar vida e chegaram mesmo a raptá-lo. Ele, clamamente, deixou-se ir sabendo que estava a embarcar no seu maior sonho que era voar...

Foto: José Carlos Ferreira

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Pisco-te o Olho - Mértola




Mértola foi uma agradável surpresa! O primeiro impacto é algo que não se consegue descrever.

Foto: José Carlos Ferreira

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A "Geração Oportunista"

Estou tão arrependido… Se eu soubesse nos anos 80 que José Sócrates chegava ao Governo em 2005 tinha aproveitado muito melhor a minha juventude e não teria estudado metade daquilo que estudei.
Ai se o arrependimento matasse… Hoje, com tantos Centros de Novas Oportunidades a abrir por este país fora já tinha conseguido tirar o 12.º ano em meia dúzia de meses e, com um pouco mais de esforço, ainda me candidatava, no mesmo ano, a um curso superior. Ou, se calhar, aguentava mais um anito ou dois e esperava que o Governo lançasse os Centros de Novas Oportunidades, mas versão ensino superior, que é algo que não deve faltar muito a surgir. Tipo, “tire o seu curso em medicina baseado na auto-medicação a que está habituado a praticar em casa”.
Ao fim e ao cabo, é tudo uma questão de oportunidades. Com estas medidas, o executivo liderado por José Sócrates diz-nos que devemos estar sempre atentos às oportunidades. E, o povo, que não é burro, já aprendeu, e bem, a lição.
Olhem só o que se passa com os combustíveis. O barril de petróleo está ao preço que se praticava em 2006, quando o gasóleo, por exemplo, era vendido a 1, 044 euros. Digam lá se o pessoal das gasolineiras não está a aproveitar a oportunidade do momento…
Vejam também o exemplo dos cereais, cujos preços estão a baixar. Mas, já se fala de um novo aumento do pão. Isto é ou não é oportunidade?
Eu não tive a sorte de fazer parte de uma geração rotulada pela sociedade. No entanto, à minha frente surgiu aquela que foi considerada a “geração rasca”, pela sua ousadia e, por um rapazito ter mostrado o traseiro numa manifestação em Lisboa. Hoje, orgulhosamente, podemos dizer que estamos a construir a “Geração Oportunista”, cujos sinais já se vão manifestando por aí. Os oportunistas sempre os houve, mas como estes educados pelo Governo, não há melhor. Já agora, aproveitando esta oportunidade, tenho um blog: http://afinalosglutoesexistem.blogspot.com/. Visite e comente.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Chamem-me antiquado e conservador

Chamem-me antiquado. Chamem-me conservador! Mas eu sou daqueles que acredita que há coisas que devem ser feitas nos seus devidos locais. No entanto, sou também suficientemente sensível para aceitar algumas excepções, acreditando que os ambientes somos nós que os criamos.
Ora, isto vem a propósito da comemoração do Dia Mundial do Idoso levada a cabo pela Câmara de Braga no último fim-de-semana. A autarquia decidiu levar cerca de três mil idosos até à Quinta da Malafaia, dando-lhes um dia diferente, cheio de animação, para o tornar inesquecível para muitos.
Para esta iniciativa houve a grande preocupação em dar prioridade aos idosos que se encontram institucionalizados nos diversos centros sociais do concelho, o que a meu ver, é de louvar.
Os responsáveis elaboraram, então, um programa para agradar a estas pessoas, tendo incluído nas comemorações a celebração da Eucaristia. E, com tantos santuários existentes na nossa arquidiocese, a organização decidiu que a missa fosse celebrada na Quinta da Malafaia. Ou seja, num palanque, bem no centro da sala de refeições, com pessoas à frente e atrás do altar.
Eu não tenho nada contra o local, até porque já vi celebrações nos mais variados locais. A diferença é que, nesses locais, havia um ambiente próprio. Todos estavam imbuídos do mesmo espírito. Na Quinta da Malafaia eu não senti isso. Não senti isso da parte, por exemplo, dos vários trabalhadores que, cumprindo as suas funções, falavam alto, distribuíam a broa pelas mesas ou cozinhavam para que a comida estivesse pronta logo a seguir à missa. Não senti isso da parte de alguns idosos, que obrigados a ali estarem, estavam mais preocupados com o estômago do que com o espírito.
Não vejo a razão pela qual não se aproveitou esta ocasião para levar estas pessoas até ao Santuário do Sameiro. Aí, assistia à missa quem queria. Para além de que muitos, acredito eu, terão mais saudades de uma ida até àquele santuário Mariano do que ir até à Malafaia. E, não venham com o argumento da pouca mobilidade dos idosos, que tiveram forças suficientes para dançar, e muito bem, ao longo da tarde. Pronto, chamem-me antiquado, chamem-me conservador.

sábado, 4 de outubro de 2008

Somos os melhores alunos do mundo!

Na minha infância era costume ouvir dos mais velhos que no tempo deles é que era. No tempo deles, a escola era uma coisa séria, onde se aprendia. No tempo deles, sabia-se mais na 4.ª classe do que no meu 9.º ano. Eles tinham que saber o nome dos rios, das principais vias de caminho de ferro, das serras… E, para me tentar humilhar ainda mais, lá começavam eles a enumerar as coisas, numa lengalenga que fazia inveja.
Passados estes anos, vejo que as coisas evoluíram, e muito. Ou seja, vejo que, finalmente, o nosso país encontrou o rumo certo e a fórmula correcta para o sucesso do nosso ensino. Hoje, perante os números que o Ministério da Educação apresentou recentemente sobre o sucesso escolar, eu nunca me iria atrever a desafiar um aluno sobre qualquer tipo de matéria, sob pena de sair humilhado.
Olhando atentamente para as últimas notícias, receio mesmo que países, como os Estados Unidos, Alemanha, ou mesmo a China, fiquem com inveja de Portugal e tentem “raptar”, através dos seus serviços secretos, o nosso Primeiro Ministro ou a ministra da Educação.
Porquê? Simplesmente porque, ao fim de tantos anos, este Governo descobriu a fórmula que tantos outros desejaram e nunca encontraram. Ao fim de tantos anos, Portugal não só conseguiu diminuir o número de “chumbos” nas escolas, como também conseguiu ser o um dos países que menos investe nos seus alunos. Isto sim! Isto é que é uma verdadeira proeza nunca dantes alcançada. Finalmente, podemos gritar bem alto, não só na União Europeia, como no mundo inteiro que temos alunos inteligentes, que desconhecem o significado de “insucesso”, sem que para tal seja necessário investir rios de dinheiro. Até na matemática somos bons! Que orgulho! No meu tempo, as provas de aferição eram popularmente conhecidas por provas de aflição. Hoje, graças a este Governo, não há aluno que tenha medo de exames. No fim, de peito feito, até dizem na televisão: “foi tão fácil”!

Quo Vadis, português?

Recordo-me que, quando era pequeno, ouvia os mais velhos a manifestarem-se preocupados com as novas gerações, afirmando que os jovens não sabiam falar o português correcto e muito menos escrevê-lo.
Mais tarde, já quando andava na escola, os professores vaticinavam um triste futuro para a língua de Camões. Mais uma vez, ouvia-se o discurso que os mais novos não sabiam escrever. No tempo deles, diziam, é que era. Eles eram obrigados a fazer cópias, composições e ditados, coisas que deixaram de se praticar com as novas pedagogias e que eram essenciais para quem quer escrever bem.
Hoje, olhando para o que me rodeia, sinto-me um Velho do Restelo que está a alinhar pelo mesmo discurso que ouvia na minha infância e juventude e que tantas vezes critiquei.
Hoje, vejo que a língua portuguesa está a enfrentar um dos seus maiores ataques de sempre, fruto, provavelmente, de uma sociedade sujeita ao ritmo das novas tecnologias, onde, em grande parte das situações, “ontem já era tarde”. Por exemplo, é preciso responder rapidamente a uma SMS, e um “que” transforma-se em “k”, e um “ch” em “x”. Mas, o pior é quando isto é transportado para os testes e exames. Mas, pior ainda é quando o Governo, na correcção de uma prova global, manda que se esqueçam os erros ortográficos. Mas, o cúmulo é quando o exemplo vem de cima.
No último debate mensal na Assembleia da República, a dado momento, ouvi o Primeiro Ministro a dizer “aitem”. Prosseguindo o seu discurso, José Sócrates até utilizou o plural: “aitems”. Percebi que, afinal, ele queria dizer item. Pronto, neste caso, até posso dar um desconto. Com um pouco de esforço, até poderíamos dizer que estava a fazer uso do seu inglês técnico. O pior é quando daqui a alguns anos alguém escrever a um amigo a dizer que vai passar férias ao “Allgarve”.

No meio...

O povo costuma ter quase sempre razão e os seus ditos populares são tidos pela generalidade das pessoas como certeiros e muito sábios.
No entanto, permitam-me que discorde com o povo quando ele diz que “no meio está a virtude”. Em muitas situações até pode ser verdade, mas se olharmos para as nossas auto-estradas descobrimos que isso é uma grande mentira e até dá direito a multa.
Segundo o Código da Estrada, o condutor deve circular sempre o mais à direita possível. Contudo, muitos condutores, eu até diria uma grande maioria, insistem em dar razão ao que o povo diz. Se não, vejamos: imagine-se a conduzir numa “A” qualquer do país. A determinado momento do percurso, mais concretamente numa longa subida, a via passa a ter três vias. Se é um condutor frequente das nossas auto-estradas, aposto que a primeira imagem que lhe vem à cabeça neste momento é um carro a circular exactamente na via do meio.
Meus amigos, confesso-vos que não há nada que mais me irrite do que ver um condutor na via do meio sem nada que o justifique. Eu, que circulo o mais à direita possível, para ultrapassar nesta situação, sou obrigado a fazer uma autêntica gincana. E, depois de ultrapassar estes carros, ainda costumo fazer pisca para a direita, para onde me dirijo, com a esperança que esses condutores, atingidos por uma distracção qualquer, acordem e também comecem a conduzir o mais à direita possível, tal como o determina o Código da Estrada.
Mas não! Lá continuam eles na via do meio. Vão contentes, como se nós é que estivéssemos errados. Posso estar muito enganado, mas isto é uma questão de civismo. Aliás, se os condutores portugueses fossem cívicos, estou convencido que, pelo menos, metade dos acidentes que acontecem nas estradas portuguesas eram evitados. Acreditem, enquanto não houver civismo entre os condutores, a maioria vai continuar a acreditar que no meio está a virtude e que o vem escrito no Código da Estrada é secundário.